domingo, 21 de dezembro de 2008

ERA ASSIM O NATAL ... -Parte I

Há alguns anos, um figueiroense cujo nome desconheço, partilhava no jornal "O Figueirola" o Natal em Terras de Algodres.
Era assim o Natal em casa da minha avó; e talvez fosse assim o Natal na casa da maioria das famílias, àquele tempo.
Alguns dias antes, na nossa rua, só se falava das filhós e da sopa de bacalhau por entre lamúrias e lágrimas, pois eram muitas as faltas, e mais sentidas no Natal que tocava os corações, todos mais queixosos que reconfortados, sobretudo os das mães sem o bacalhau, sem os ovos, sem o azeite...
No dia da Consoada, não sei como nem donde, a minha avó aparecia com um pouco de fermento que andava de mão em mão a ser esticadinho e repartido de modo a chegar para todos os que dele iam necessitando para amassar as filhós.
Logo de manhãzinha fora acender a pinha, como gostava de fazer, a casa duma vizinha que se levantava muito cedo, para com ela acender o nosso lume. O "lume" era assim que se dizia. Também era de manhã que se punha nele a panela de ferro onde se cozinharia a sopa de bacalhau que muitos poucos povos conhecem. Na cozinha era só fumo, não havia chaminé. Nós, sentados de cócaras ou em banquitos, estávamos já a fazer a festa mesmo com os olhos a chorar com a fumaceira. No lume estalavam as "correcodas" que nos saltavam para a roupa e para a panela da sopa. A avó não via, mas ao de cima do azeite boiavam alguns carvões e quando à noite se comia a sopa,lá apareciam eles a bater-nos nos dentes — talvez o motivo porque só muito tarde gostámos da sopa de bacalhau, e há quem ainda não goste.
UM SANTO E FELIZ NATAL
PARA TODOS OS QUE ME VISITAM, ATRVÉS DESTE ESPAÇO!

3 comentários:

al cardoso disse...

Que linda historia, parabens!

Votos de um Santo e feliz Natal.

Um abraco de amizade dalgodrense.

Amaral disse...

João Paulo
Espero que tenhas um Santo e Feliz Natal, junto daqueles que te são mais queridos.
Abraço

Anónimo disse...

Bom Natal a todos vós.