terça-feira, 1 de outubro de 2013

ÚLTIMO ARTIGO DESTE BLOG: AUTÁRQUICAS 2013 E ALGUMAS MEMÓRIAS DA POLÍTICA LOCAL

Numa altura em que, finalmente e felizmente,  a alternância democrática na autarquia de Fornos de Algodres é uma realidade, resultado de uma oposição responsável e persistente, urge ter memória e não esquecer os anos em que muitos militantes e simpatizantes, em momentos difíceis, deram a cara pelo PS e, por causa disso, foram muitas vezes caluniados e apontados como causadores de desunião. Como é evidente, estão nesta primeira linha os dirigentes locais do Partido Socialista, Eng. Carlos Costa, Dr. Manuel Fonseca (atual presidente da Câmara), o Dr. João Rui, o Prof. Gomes, Dr. Manuel Gonçalves, vereadores, etc. As convicções ideológicas e o espírito de persistência manifestados ao longo dos anos são-lhes, hoje, finalmente reconhecidos pelo povo das Terras de Algodres.
Num passado relativamente  recente, o medo e, ao mesmo tempo, a conveniência de estar com o poder instalado que, nessa altura, vivia tempos de vacas gordas fazia com que houvesse alguma dificuldade em arranjar listas nas diversas freguesias. O "ouro" oriundo da UE  permitia ganhar eleições ao poder instalado. Nessa altura, ser-se do PS, por estas terras do interior não era fácil. Recordo as eleições em que o candidato à Câmara era o Eng. Carlos Costa ; o candidato à Assembleia Municipal era o Dr. João Rui e o candidato à Junta de freguesia de Figueiró da Granja era o José António Neves, lista da qual eu e o atual presidente da junta, Álvaro Santos, também fazíamos parte. Não tenho dúvidas que, se nessa altura o PS tivesse ganho (faltou o quase), hoje as gentes da minha terra viveriam melhor. Após essas eleições, enquanto ao lado se festejava vitória, em casa do candidato do PS, tristes com a derrota, um popular exclamava "Ah povo cego!". Como é evidente não concordando, pois o povo é soberano, percebia este desabafo. 
Nessa altura, difícil, há que recordar igualmente tanta gente simples que não teve receio e vergonha de fazer parte das listas do PS. 
Recordo, ainda, a vinda a minha casa do presidente da Câmara que está a terminar o seu mandato e do seu vice na tentativa de tomar outra opção e ser candidato a deputado para a assembleia municipal pelas listas do PSD. Como é evidente, convicto de que Fornos necessitava de mudar, a minha resposta foi sempre negativa.
Para alguns, hoje, estrategicamente, é  fácil e dá jeito ser-se do PS. Para a maior parte que votou hoje no PS e lhe deu a vitória, não tenho dúvidas que o fez por convicção, acreditando num novo projeto para o concelho onde os valores humanistas estarão na base da ação do seu presidente.
Nos últimos anos, apesar de distante por motivos pessoais e profissionais, assisti (graças às novas tecnologias) ao empenho e ao desejo da juventude local em mudar de política em Fornos de Algodres. Para além do Presidente eleito, destaco o meu conterrâneo Bruno Costa e Lote (desculpe esta forma de tratamento, pois não o conheço pessoalmente).
O presente só terá verdadeiro sentido se não esquecermos o passado.
Embora desejoso desta vitória de mudança, o meu contributo para esse facto foi diminuto, pois a minha vida familiar e profissional é, neste momento, no Norte.
Como cidadão livre que sou,  senti que devia escrever estas palavras neste meu espaço, que foi e é, igualmente, daqueles que me visitaram. 
Daqui do Norte, desejo as maiores felicidades ao novo Presidente da Câmara, Dr. Manuel Fonseca e ao novo Presidente da Junta de Figueiró da Granja, Álvaro Santos.
Sendo este o culminar de um ciclo em Terras de Algodres, considerei que estava na altura de, igualmente,  encerrar este espaço virtual de reflexão, promoção e divulgação da terra que me viu nascer, Figueiró da Granja e as suas Terras de Algodres. Agradeço, pois, a todos os que me visitaram através deste espaço e fizeram o favor de ler e comentar as notícias, mensagens, informações e reflexões que fui fazendo no decorrer destes anos. A todos, o meu bem haja!
Até Sempre!
João Paulo Lopes Clemente