segunda-feira, 24 de novembro de 2008

D. ISABEL MATOS E AS ARTES DECORATIVAS


Nas nossas terras há gente possuidora de grandes talentos que deveria merecer mais atenção e divulgação da sua arte. Hoje queria destacar a pessoa da D. Isabel Matos que, depois de alguns anos emigrada em França, regressou a Figueiró onde tem participado muito activamente na vida comunitária. Possuidora de mútiplos talentos, queria destacar a sua "menina dos olhos", as "Artes decorativas" onde ela é mestre. São muitos os trabalhos realizados com materiais diversos, conforme se pode verificar na foto que apesar de ter 10 anos confirmam a sua veia artística. No âmbito do Ensino recorrente, deu formação nesta área a jovens e menos jovens da nossa terra.

A imagem de uma terra passa também pela divulgação dos rostos que se destacam nas várias áreas quer no passado quer no presente!

domingo, 16 de novembro de 2008

A ARTE POPULAR EM MUTAÇÃO!



Foi com alguma surpresa que verifiquei este novo "monumento" a norte do termo da freguesia, alguns metros antes de se cortar para o Castro de Santiago. Este cruzeiro, penso eu, encontrava-se junto a um caminho rural que fazia ligação do largo do Outeiro à "Carvalha". Não sei quais foram os critérios que estiveram na base desta mutação. Se o objectivo era dar mais visibilidade a esta arte popular, haveria outros locais na freguesia onde essa visibilidade poderia ser maior!... Todavia, quero acreditar que foi com as melhores da intenções que se fez esta mudança. De certeza que houve algum estudo, por parte de historiadores e profissionais ligados à história da arte. Na minha opinião de leigo na matéria, considero que, só em caso de degradação e risco de roubo se devem retirar estes objectos artísticos dos seus locais originais!

domingo, 9 de novembro de 2008

A VARIANTE


Com o melhoramento da estrada nacional 330 e com a nova variante, Figueiró ficou a ganhar. O trânsito que actualmente atravessa a freguesia é diminuto. Este facto torna a nossa aldeia ainda mais bonita e mais ecológica. Há a salientar positivamente o facto de terem substituído o alcatrão pelos paralelos, transmitindo assim uma imagem mais típica de uma aldeia beirã.
A abertura desta nova variante deveria também servir para abrir rasgos no desenvolvimento, a começar nos espaços limítrofes a esta.
Como já foi referenciado neste e noutros blogs, só é pena que não tivesse havido pressão política para que se construisse uma saída da A25 para esta estrada nacional o que iria valorizar muito mais a nossa terra e a de concelhos limítrofes.

sábado, 1 de novembro de 2008

UMA HISTÓRIA, UMA MENSAGEM


"A festa da aldeia realizava-se todos os anos em Junho. Este ano, o poder local rapidamente se disponibilizou para liderar este evento. As boas relações entre poder e igreja permitiam um casamento feliz.
O Sr. Bernardino liderava a Junta desde o 25 de Abril, há 20 anos. O tacto político que verdadeiramente possuía, tornavam-no respeitado porque temido. Na sua vida profissional não triunfara. Possuira um pequena empresa de madeiras que rapidamente foi à falência. A sua prima do coração era uma assídua da igreja. Por isso, funcionava um pouco como a assessora para os assuntos religiosos. Na verdade, a sua função era demasiado importante para a permanência no poder.
A reunião era no cartório do Sr. Padre Jorge.
- Boa noite, Sr. Abade!- saudou o Presidente da Junta.
- Ora viva! Com vai o governo da nação, melhor, da freguesia? - perguntou o padre.
-Muito trabalho! Para se contentar o povo, é necessário fazer mais malabarismos que o circo do Zé Castrim! - brincava o autarca.
-As eleições aproxima-se! Há que começar a trabalhar!- aconselhava afavelmente o abade.

- Está tudo controlado! - exclamava o representante da freguesia.
- Não diga isso! Olhe que o seguro morreu de velho.
- acautelava o sr. abade.
- Não há ninguém que tenha a coragem de me enfrentar! Tenho tudo nas minhas rédeas, não é Sr. Feliciano?- perguntou o presidente ao tesoureiro da Junta, o Carlos.

- Tem sido esse o segredo para ganhar as eleições. Os potenciais candidatos fogem logo. Por isso, tem sido um belo passeio, a ida à urnas. - concordava o fiel tesoureiro.
- Ouvi dizer que este ano vai ser diferente! A oposição está a organizar-se.
- alertava o Padre.
- Isso acontece sempre mas na "hora h" desistem!
- Ria-se o Sr. Bernardino.
- Olhe que não! Este ano eles vão lá!

O Presidente da Junta ficou tenuamente pensativo mas rapidamente passou ao que interessava: a festa na aldeia, como preparação para ganhar as eleições. Este ano a festa em honra de São Pedro tinha que arrasar!..."