quinta-feira, 5 de junho de 2008

A CASA PAROQUIAL DE FIGUEIRÓ DA GRANJA


Há alguns anos atrás, as casas paroquiais encontravam-se habitadas pelos respectivos párocos. Recordo o Sr. Pe. Artur que residiu durante muitos anos nesta casa paroquial de Figueiró da Granja. Penso que esta casa foi dada à igreja pelo Mons. Pinheiro Marques. Há uma certa dívida de gratidão para com ele. Seria importante prepetuar esse facto.
Recordo o Sr. Pe. Artur nestas escadas "fumando um pensativo cigarro", como diria o Eça. Quando aí passávamos, lá tinhamos de fazer o ritual de pedir a benção ao Sr. Abade. Este gesto que hoje considero de subserviência, fazia com que aquele tivesse um certo domínio psicológico sobre os seus paroquianos, assumindo assim um papel fundamental na vida social e política da freguesia.

Hoje, estes espaços, em grande parte das paróquias, passaram a ser locais ao serviço das mesmas. É o que acontece em Figueiró da Granja, onde hoje funciona como centro de catequese e local de reuniões.

4 comentários:

Amaral disse...

João Paulo
Quantos gestos de subserviência fizemos e continuamos, infelizmente, a fazer. No entanto, sempre é preferível aproveitar as casas para alguma coisa do que ficarem abandonadas.
Bom fim-de-semana
Abraço

al cardoso disse...

Embora declaradamente conservador, o Abade Artur, tinha tambem algo que lhe dava bastante consideracao por parte da maior parte da populacao!
Lembro-me perfeitamente de alguns dialogos por vezes acesos, que com ele tive em epocas elitorais!
Paz a sua alma.

Ja quanto ao Monsenhor Pinheiro Marques, creio que uma arteria com o seu nome na vila de Figueiro da Granja, viria reparar uma lacuna importantissima!

No que respeita a essa residencia, nos seus primordios foi a residencia dos "Osorio", uma familia castelhana que assentou residencia em Figueiro creio que no seculo XIV. Familia essa que foi o tronco de todos "Osorio" em Portugal!

Um abraco de amizade dalgodrense.

JPCLEMENTE disse...

Obrigado, amigo Cardoso por essas informações complementares!
Um abraço amigo

Francisco Pina disse...

Não há dúvida, que o Padre Artur, muito embora fosse conservador, era uma pessoa, com quem se podiam discutir as coisas. Com opiniões divergentes, tive algumas discussões com ele, mantendo-se sempre e apesar disso, o respeito mutuo. Que esteja em paz!