quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

O PELOURINHO DE FIGUEIRÓ NO SÍMBOLO DA " ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E CULTURAL DE FIGUEIRÓ DA GRANJA"




No âmbito do último artigo do amigo Al.Cardoso "Usemos as nossas diferenças:Os Pelourinhos", no blog "Aqui d'Algodres", aquando da escolha do logotipo para a "ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E CULTURAL DE FIGUEIRÓ DA GRANJA", no início da associação e aquando da minha passagem pela mesma, aprovámos o logotipo apresentado que tem como elemento fundamental o Pelourinho de Figueiró da Granja.Este foi um trabalho elaborado pelo João Furtado pelo Sérgio Carvalho. Penso que é um símbolo bastante conseguido onde se podem encontrar os objectivos da associação, nomeadamente a vertente da cultura e da sabedoria, representadas pelo pelourinho e pelo mocho e a vertente recreativa simbolizada na bola.


Concordo com o anónimo que comentou o respectivo artigo, que é pena que as freguesias não tenha colocado estes monumentos no seu brazão heráldico.


A divulgação da nossa terra passa também por promovermos os nossos monumentos nos símbolos representativos das instituições.

11 comentários:

Anónimo disse...

Olá Jpclemente

Fizes-te bem em publicar o logotipo da Associação. Lembro-me que foi um longo caminho até chegar-mos a este logotipo. Existiram outras propostas, mas o Pelourinho sempre constou em todas. Um trabalho magnífico do João Furtado. Eu apenas me limitei a configurar a envolvente da imagem central. E até esta se relaciona com as "Terras de Algodres". Não é por nada que no preenchimento são usadas as cores verde e amarelo, precisamente as cores do Município de Fornos.
Recordo ainda que este logotipo não foi aprovado apenas pela direcção a Associação. Foi apresentado a todos os sócios em Assembleia Geral, e foram estes que tomaram a decisão final. Uma decisão assente nos bons costumes da Democracia.

Fiquem bem...
Sérgio Carvalho

al cardoso disse...

De facto esta muito bem conseguido, parabens e votos que essa associacao continue a senda dos fundadores!
Ja agora que me diz a minha ideia, de voltar a colocar o pelourinho de Figueiro na Praca?

Um abraco d'algodrense.

Anónimo disse...

Olá João Paulo,Desta vez n vou fazer qualquer comentário, vou apenas puxar-te as orelhas. Como sabes estou a viver em Aveiro, mas mantenho contacto com os velhos amigos. Este fim de semana estive com um desses amigos e a conversa chegou ao teu bloog, e fiquei triste ao saber que falas, falas e ninguem te vê em Fornos, então como podes querer tu que ajudem a terra se tu proprio o n fazes, pois a pessoa em causa diz que á mais de 10 anos que n te vê. Vai pelo menos tomar um café a Fornos e quiça comprar um queijito. !!!
Bjs Sara

JPCLEMENTE disse...

Olá, Sara:
Antes de mais, queria pedir-te desculpa por não estar a ver quem tu és. Esta vida de professor faz com tenhamos que dar a volta a Portugal e conheçamos novas pessoas e nos esqueçamos de outras, desculpa. De facto a minha vida profissional e familiar fez com que eu tivesse que estabilizar aqui pelo Norte e por isso, na realidade, a Fornos vou poucas vezes, indo com frequência a Figueiró donde sou natural e onde tenho os meus familiares.O facto de um ter feito o ensino básico e secundário no seminário fez com que não tivesse grandes contactos com o pessoal da Vila de Fornos.
Enquanto trabalhei perto de Fornos, tive oportunidade de dar o meu contributo para a divulgação da cultura da nossa terra e promoção da juventude de Figueiró. A Associação foi o meio para o fazer.Estes tempos serviram para conhecer melhor a vida social e política do nosso concelho. Por isso este espaço surgiu como meio de eu partilhar a minha experiência acerca da realidade local.
É uma visão pessoal que não se inibe de elogiar o que de bem se faz mas também aquilo que considero errado. A minha opinião vale o que vale. Uma coisa é certa as "Terras de Algodres" necessitam de espaços de discussão e partilha.
Apesar de longe ,não consigo deixar de pensar na terra que me viu nascer, donde trago alguma mágoa relativamente a algumas pessoas.
Quanto a ir a Fornos, em princípio, lá estarei amanhã para a assembleia geral da associação "Terras de Algodres", da qual sou sócio. Há que aparecer não para dar nas vistas mas para contribuir com o nosso possível e modesto apoio.Se for através de um espaço como este, penso que não há mal nisso, desde que a boa educação e os valores democráticos estejam presentes.
BJS
JPC

Anónimo disse...

Desconheço por completo onde o pelurinho se encontrava antes e por isso, estou um pouco confuso. De que praça ou sítio està o amigo Al Cardoso a falar?

Cump's
O anónimo

JPCLEMENTE disse...

À semelhança do comentador anterior, embora figueiroense, também desconheço a praça onde se encontrava.
Agradecia que o amigo Albino nos desse essa informação.
Grato, desde já.

al cardoso disse...

A Praca em Figueiro, e aquele pequeno largo em fronte ao mais antigo cafe de e onde antigamente era o posto de Correio, e tambem em frente a casa do falecido Professor Pinheiro Marques que ele herdou do seu tio o Monsenhor. Presentemente esse largo devido ao derrube de algumas construcoes ate esta maior e tem ai um fontenario, que ja la foi colocado depois de em 1981.
O pelourinho foi transferido para junto da Capela do "Martele" aquando da construcao da Estrada nacional em 1881, nessa mesma altura tambem foi construida a actual capela pois a antiga embora com menos pe alto, era maior e tinha um adro fronteiro com uma escadaria.
Esta informacao pode ser encontrada no livro "Terras de Algodres".
Neste momento devido a construcao da variante a EN 330 e ao alargamento da Praca, ja existe ali novamente lugar para o pelourinho,
Ja agora, como Figueiro ja tem toponimia nas ruas, Qual e o nome que deram a esse largo, que era outrora a "Praca"?

Um abraco d'algodrense para todos.

al cardoso disse...

Tenho que fazer uma alteracao ao que eu afirmei; embora a Estrada mais tarde chamada EN 330 tivesse sido construida de Fornos ate Figueiro em 1881, o troco dentro de Figueiro e que seguiu depois ate Vila Cha foi construido em 1887, portanto o pelourinho foi deslocado para o lugar onde se encontra presentemente entre 1881 e 1887.
Na Pagina 244 do "Terras de Algodres" na segunda edicao de 1988, pode-se ver uma fotografia de uma casa antiga com alpendre com colunas, que se encontrava na referida Praca, e foi demolida ja depois de 1981, ainda gostava de saber onde foram parar essas pedras tao antigas?
Quem sabe se na teria sido nessa casa que se situava a Camara de da Vila de Figueiro ate 1836!

Anónimo disse...

FIGUEIRÓ DA GRANJA



Orago: Nossa Senhora da Graça

Código postal:6370-041



FIGUIRÓ DA GRANJA é uma freguesia portuguesa do concelho de Fornos de Algodres, com 11,68 km² de área e 471 habitantes (2001). Densidade: 40,3 hab/km².
Foi vila e sede de concelho entre o século XV e 1836. Era constituído por uma freguesia e tinha, em 1801, 596 habitantes.


in: Wikipédia

JPCLEMENTE disse...

Obrigado, Caro Al.Cardoso, por essa informação. Lembro-me perfeitamente dessa casa com o alpendre. Penso que deveria haver alguém com uma formação histórica que fiscalizasse mais de perto as obra em casas antigas. De certeza que essa casa transportava muita história. Recordo-me na altura haver algumas vozes que se levantaram contra, principalmente da família Pinheiro Marques.
Quanto à deslocação do pelourinho, penso que seria um pouco complicado.São já muitos anos, e as pessoas sempre se habituaram a ver o pelourinho naquele localo, num espaço mais airoso. Considero sim que, devido à variante, este espaço do pelourinho poderia e deveria ser o centro de actividades culturais a realizar, complementado com o Largo das eiras, onde se realizaram as jornadas recreativas e cUlturais.
Ao amigo anónimo, agradeço-lhe a informação acerca de Figueiró.
A todos os que me visitam, desejo-lhes uma óptima semana!
JPC

Anónimo disse...

Ola A todos, como vez João Paulo vens dar-me razão quando digo que faz falta na nossa Camara é um Historiador, que por acaso ja ca esteve ,mas talves fosse demasiado profissional para algumas pessoas. Pedemos ver a ajuda dele na intervenção feita na capela do Santo Cristo no Sobral Pichorro, se falarem com o actual presidente da junta ele poderá confirmar tudo isto. Enquanto a nossa autarquia não tomar consciencia de que temos uma riqueza, cultural Abrangente, mas que para podermos tirar algum proveito temos que ter um grupo de trabalho homogenio, vamos perder a nossa identidade cultural a cada dia que passa e em cada obra k se realize.
Não sei se sabem que por ex. que a porta da antiga hermida da Sra dos Milagres da Muxagata esta agora numa casa particular, e qual é o meu espanto numa das minhas caminhadas pelo concelho deparo-me com uma porta "lindissima " de aluminio branco na dita casa . Ora isto n aconteceria se houvesse o dito históriador , mas não, temos apenas eng. e arquitetos que deixam um bocadinho a desejar .
NINGUEM PASSA PARA FORA AQUILO QUE NÃO TEM DENTRO