domingo, 20 de janeiro de 2008

UMA DEMOCRACIA SADIA TORNA UMA SOCIEDADE MAIS DESENVOLVIDA E MAIS FELIZ!

Foi com alguma surpresa e ao mesmo tempo satisfação que verifiquei que o meu artigo "Apostar na Juventude para Ganhar o Futuro" causou algum debate (34 comentários até ao momento).

Um dos anónimos participante focou a importância de separar muito bem as águas: à política o que é da política; à religião o que é da religião e ao associativismo o que é do associativismo. Em algumas freguesias e concelhos pequenos é possível que não haja alternativas! Apesar de ser o ideal, para os "políticos profissionais" essa separação de poderes, por vezes, torna-se difícil. É no associativismo e na igreja que está a chave para se ganharem eleições. Verificamos que os "políticos profissionais" fazem tudo ou por estarem dentro das estruturas das organizações ou então colocar lá pessoas da sua confiança política. Nos meios mais pequenos, nota-se muito mais. Por vezes, há pessoas com sensibilidade para essas áreas, todavia a habilidade desses profissionais da política, fala mais alto e colocam-se de lado pessoas competentes que pensam pela sua cabeça mas com pouco tacto político. É evidente que isto traz consequência, pois o poder dos organismos fica concentrado numa ou duas pessoas.
As grandes ditaduras foi assim que permaneceram no poder, trazendo consigo, a falta de liberdade interior das pessoas e o pouco desenvolvimento do país, pois também não interessava dialogar e estabelecer relações com os países democráticos. Veja-se Portugal, em termos de desenvolvimento, antes do 25 de Abril e depois de estabelecido o poder e o debate democrático!

Com as devidas distâncias, alguns políticos do nosso interior padecem um pouco dessa mentalidade e a chave para desenvolver o interior passa também por termos uma democracia mais sã, onde a liberdade de escolha ou de opinião seja uma mais valia para o bem comum e torne as pessoas mais felizes, razão da nossa existência.

Há uns anos atrás, escrevi um artigo que sintetizava um pouco esta ideia, cujo título era "De uma grande ditadura a pequenas ditaduras, mascaradas de democracia".
Esta é uma reflexão pessoal de um idealista que não visa criticar nem atingir seja quem for, mas ser motivo de debate e troca de ideias com todos aqueles que acreditam na democracia e liberdade de opinião!.

6 comentários:

al cardoso disse...

Caro Joao Paulo:

Os meus sinceros parabens, creio que em menos tempo ja me ultrapassou em comentarios!
Como entendera estou a bincar, mas gostei de ver debatida a associacao.
Olhe vou-lhe contar um segredo, pois nessa altura voce ainda era pequeno e nao se lembra, eu tambem fui uma vez eleito para o "Desportivo da Cruzinha", resulta que devido a que algumas pessoas tomavam decisoes sozinhas e, mudavam o que se tinha decidido a seu belo prazer, tive que tomar a decisao de renunciar, pois nunca gostei de "dictadoreszitos". Constacto que alguns destes, sao agora o poder por la, infelizmente, para a sua terra que tambem considero quase minha!
Ainda pensei que as pessoas com a convivencia democratica destas trez decadas aprendessem algo, mas aprenderam isso sim e usar os ingenuos.
O que faz falta a sua e a todas as nossas terras e sangue novo, que infelizmente e o que menos ha, alguns politicos sabem isso e ate usam isso em seu favor.
O nosso concelho esta velho e, se e verdade que a velhice traz sabedoria e esperiencia, tambem traz conformismo e falta de forca para lutar contra o que esta mal.
Sao necessarias novas gentes com novas ideias e nao envolver a politica com isto, o bem concelhio deve interressar a toda a gente de direita ou de esquerda a passar pelo centro e ate a "monarquicos convictos como eu"!

Um abraco e continue que esta no bom caminho!

Um grande abraco de amizade d'algodrense.

Amaral disse...

João Paulo
Penso que os nossos políticos, em geral, não promovem a democracia. Se são ditadores? Não iria tão longe, mas também não me chocaria muito. Pequenos ditadores? Alguns.
Continua a fazer-se política no país de forma a que todos estejam de acordo com as decisões de quem as toma.
A política é que estraga tudo seja onde for: na igreja, nas associações... Se as pessoas fizessem as coisas pelo bem estar dos outros, pelo desenvolvimento, pelo humanismo que essas acções deveriam acarretar. Estava tudo bem, mas as pessoas quando fazem querem ver o nome reconhecido, divulgado, idolatrado. Lá diz a Bíblia "não saiba a tua direita o que faz a esquerda".
Boa semana
abraço

Anónimo disse...

"Um ditador não passa de uma ficção. Na verdade, o seu poder dissemina-se entre numerosos subditadores anónimos e irresponsáveis cuja tirania e corrupção não tardam a tornar-se insuportáveis"
Gustave Le Bon, psicólogo francês, fundador da Psicologia Social

Cump's
O anónimo

Carlos de Matos disse...

Ola a todos e especialmente para ti João Paulo,

falhei no debate sobre a juventude, mas acrescentarei que a juventude não esta ligada a idade mas sim a capacidade de criticar a razão ;o)) e isso sera sempre uma maneira modesta de evoluir... a realidade é complexa e muita gente pensa em bem mas por falta as vezes de ocasião e capacidade falha na concretização dessas ideias. Ha decerto um conformismo cronico por falta dessas oportunidades e a educação tal que proporcianada em Portugal assim como a conjonctura economica nao dão asas a uma revolução das mentalidades para renovar a nossa democracia. Trabalho como o teu mesmo modesto na educação civica dos teus alunos é de louvar porque participa plenamente no despertar de novas conciencias que farao o futuro do nosso pais. Eu acredito sinceramente no efeito de mimetismo sobre o que se faz de positivo. Fui director de programas pedagogicos para jovens e é sempre um prazer ver que modestamente eles te tomam por um bom exemplo mesmo se nada estava ganho no principiar.

O teu post trousse ao debate e em praça publica gente que nao costumava vir a internet... isso é optimo porque mesmo que o assunto da associação não fosse a proposito deu corpo a um debate e isso para mim no respeito das opiniões é de multiplicar... e de fomentar por esse pais fora.

A Democracia de um pais desenvolvido alimenta-se num dialogo societal constructivo. E penso que sobre o denominativo de "politica" aglomera-se meramente uma forma de poder local e tera de ser aos residentes de vigiar que ele nao seja usurpado por ditadores mesmo pequenos e locais. Com coragem das suas opiniões mesmo se estão em minoria.

E para concluir uma "Mens sana in corpore sano" e que alèm da educação curricular, a fisica é igualmente importante e talvez condiciona um mental forte dum cidadão participativo e actor no seu mundo real.

Abraço Gaulês

Anónimo disse...

Ola a todos ,o amigo Al tem razão ,os ditadorzitos ,tornaram-se agora eles e a sua prol em ditadorzoes. Quanto á nessecidade de sangue novo concordo que é mesmo o que nos faz falta, e eles tambem sabem pois lá aparece um ou outro nas listas,mas claro que só dão hipoteses aos manipolaveis , jovens com opiniao que vão e de preferencia para bem longe. bjs a todos Sandra

JPCLEMENTE disse...

Caros AlBino e Carlos:
Obrigado pelas palavras amistosas!
Amigo Al, não compare este pequeno espaço com a importância que o senhor e o seus blogs possuem na divulgação das Terras de Algodres e das suas gentes. Este é um pequeno contributo do qual o senhor também é responsável.Pois não esqueço as suas palavras de incentivo para escrever acerca das nossas terras.
É engraçado como temos histórias semelhantes no associativismo local. Talvez daí eu identificar-me com muitas das suas ideias.
Continuação de uma boa semana!
Uma grande abraço para os meus amigos