sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

A CRISE E A DESERTIFICAÇÃO DO INTERIOR

Hoje, todos nós estamos a sentir na pele os erros dos políticos que nos governaram, principalmente, em tempo de "vacas gordas". Veja-se a governação cavaquista há alguns anos atrás . O dinheiro que visava estruturar o país para um desenvolvimento harmonioso foi mal aplicado e, quando a fonte começou a esgotar-se, constata-se que a casa foi construida sem alicerces. A formação para uma cultura de empreendedorismo não foi feita. Não se apostou no homem e nas suas potencialidades. Hiperbolizou-se a política do betão. Não se estudou o potencial de cada região e respetiva rentabilização. Não se apostou no ser humano de cada freguesia e vila do interior. Os jovens não encontravam horizontes de futuro nestas terras. A emigração foi, para muitos, a solução. Somente os "chicos espertos" do regime foram governando a sua vidinha.   Chegou, pasme-se, ao cúmulo de haver até uma certa admiração por aqueles. Dir-se-á que hoje a maior parte das nossas vilas do interior possuem todas as condições estruturais para se ter qualidade de vida. É verdade. Porém, as pessoas, razão de tudo isso, vão sendo cada vez menos pois não se criaram condições à sua fixação. Provavelmente era mais fácil e rentável, politicamente, apostar numa política de betão.Com dinheiro ou sem dinheiro o importante era mostrar obra. ""Quem vier a seguir, que feche a porta!"
Crise, uma oportunidade?

 

1 comentário:

Francisco Pina disse...

Realmente aqueles que mais contribuíram para o estado lastimoso a que chegamos, pois em vez de aplicarem os fundos vindos da UE, no desenvolvimento do País e do seu interior, gastaram o dinheiro em subsídios, na destruição da agricultura, da industria, das frotas de pesca e da marinha mercante, entre outros, ou seja, pagaram para não se produzir e assim, fizeram todo o
possível por destruir o País e colocá-lo na dependências dos outros, a quem a politica seguida beneficiou, aparecem agora como uns santinhos, que nada têm a ver com o que aconteceu. A culpa é sempre dos outros, É uma tristeza!