terça-feira, 27 de julho de 2010

TERRAS DE ALGODRES, TRILHOS E TURISMO


Na pretérita semana, na companhia de alguns colegas da escola onde lecciono, tive a oportunidade de fazer alguns passeios pedestres pelo Gerês. Um amigo dizia que o Gerês só se conhece verdadeiramente quando explorado a pé. São muitos os trilhos que se encontram devidamente assinalados e que porporcionam momentos únicos de contacto com a natureza. Mais perto de nós, os concelhos de Viseu, Penalva do Castelo e Aguiar da Beira existem já alguns trilhos desta natureza, devidamente assinalados.
O Concelho de Fornos possui condições e património natural e arqueológico únicos que poderiam e deveriam ser divulgados, servindo para o efeito este tipo de projectos. Penso que seria um projecto fácil e pouco despendioso. Estes espaços encontrariam na escola os primeiros "clientes". Os nossos jovens deveriam ser os primeiros a conhecer o riquíssimo património natural que possuimos.

Em Figueiró da Granja existem cenários únicos que caberiam neste tipo de projectos. Na minha infância e juventude percorri muitos deste locais. Em artigo anterior, já referi um trilho que poderia denominar-se "O Trilho das Capelas". O Castro de Santiago poderia ser outro trilho a explorar, pois as paisagens são únicas.
Se consideramos o turismo uma vertente fundamental no futuro das Terras de Algodres quem de direito deveria ter também presente estes projectos simples que os turistas tanto apreciam.

2 comentários:

al cardoso disse...

E precisamente uma ideia a que nunca creio me referi, mas que tenho pensado, o que eu gostaria de ver e serem limpos os antigos caminhos e promoverem-se caminhadas por eles, mostrando os vestigios de antigos povoamentos e da natureza.
Vou aprentar-lhe alguns exemplos:
Caminho romano/medieval Fornos/Figueiro, pela Senhora da Graca, calcada romana, quinta da Lomba, Ribeiro de Cortico, Senhora dos Verdes, Figueiro.
Outro exemplo: Fiueiro/Maceira; Cruzinha, Valvegavinho, Regada, Regadinha, Aldeia das Cortes, Vila Cha, Ribeiro, Quinta dos Telhais, Maceira.
Mas podia aprensentar muitos outros.
Estes sao caminhos ainda usados a quarenta anos ou ate menos, que embora nalguns casos se encontrem interrompidos por estradas novas eram muito facil de com limpeza de vegetacao coloca-los ao servico dos que deles quizessem disfrutar.
E estou convencido que nem era necessarios grandes gastos, pois poderiam sem feitas estas limpezas pelos proprios cantoneiros da Camara. O que eu creio que era importante era haver uma manutencao periodica depois da primeira limpeza.

Anónimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado