segunda-feira, 3 de março de 2008

OS EDIFÍCIOS ESCOLARES, UM PATRIMÓNIO A RENTABILIZAR


Numa altura em que o número de crianças vai dimuindo pelas nossas terras e as orgânicaS escolar vão sofrendo mutações, urge perguntar o que fazer dos edifícios escolares que não estão a ser utilizados. Todos sabemos que grande parte destes edifícios são antigos e possuidores de uma estrutura única que os distinguem dos restantes edifícios das freguesias.Paralelamente a este facto, todos nós que passámos por esses espaços, jamais os esqueceremos visto que foi aí que demos os nossos primeiros passos na aprendizagem de saberes e, ao mesmo tempo, os primeiros passos na socialização.

Considero que estes espaços não deveriam ser vendidos a particulares. Sendo eles um património histórico comum das freguesias, deveriam ser rentabilizados para o bem comum da mesma. Assim, penso que não haverá melhor local para colocar as sedes das Juntas de freguesia. Em vez de se construirem novas sedes, penso que não seria dificil adaptar estas às novas funções. Dignificava-se o edifício e dignificava-se a instituição. Dir-me-ão que as freguesias já possuem sede. Utilizem-se estas para outras funções: associações, salas de convívio, salas de estudo, espaço net, etc.

6 comentários:

al cardoso disse...

Se ha uma freguesia que em meu entender nunca deveria perder a escola do primeiro ciclo e Figueiro, pois para ai poderiam ser canalizados os alunos da parte cha do municipio. Mas infelizmente devido a erros urbanisticos que ja vem de longe, presentemente nao existem ao redor da escola, terrenos para uma possivel extencao ou a construcao de um Auditorio/Ginasio, pelo que so temos que condenar os anteriores autarcas que nao souberam acautelar o futuro, e neste caso e muito contra o meu desejo, vamos assistir a transferencia de todos os alunos concelhios para Fornos que fica numa ponta do concelho! Com a perca da escola, e mais uma parte de Figueiro que se perde, e podia ser sem duvida a segunda vila do municipio, caso fossem criados postos de trabalho para os naturais nao terem que abandonar a freguesia e assim haver mais criancas.
Mas tudo isto e chorar sobre o leite derramado, mas nao me posso conformar em ver morrer as nossas aldeias!!!

um abraco da amizade e tristeza, do d'algodres.

al cardoso disse...

Desculpe mas ate me esqueci de comentar a sua ideia, concordo com o meu amigo de que o municipio nao deveria alienar as antigas escolas primarias. Mas devido a situacao financeira do municipio nao sei se tera muitas alternativas, espero que ao menos, fique assente nas possiveis alienacoes a condicao de nao poderem ser alteradas as fachadas dos edificios e a area circundante!

Um abraco dalgodrense.

Anónimo disse...

Infelizmente em Vila-Chã a escola primária já foi vendida a particulares. Houve uma proposta da Câmara para que a Junta adquiri-se o edifício, mas infelizmente a proposta não era suportável para os cofres da Freguesia.
Sérgio Carvalho

JPCLEMENTE disse...

Concordo com consigo Al. Cardoso quando diz que Figueiró deveria ser um centro escolar que acolhesse as crianças das freguesias limítrofes.Realmente, Figueiró, a longo prazo, poderia ser uma freguesia de referência local ao nível da educação, mas também da saúde. Os nosso idosos e doentes das Fuinhas, Muxagata, Sobral Pichorro,e outras freguesias não necessitariam de se deslocar até à sede de concelho para controlar o seu estado de saúde. Houvesse em Figueiró um local com um enfermeiro 1 ou 2 vezes por semana e um médico, pelo menos 1 vez por semana.
A construção de um nó à A25 como o meu amigo sugere no seu blog, seria outra mais valia para nos colocar ainda mais perto dos grandes centros.
Não sabia que a escola de Vila Chão já fora vendida, Sérgio.Penso que em Algodres já aconteceu o mesmo. Visto de fora, parece-me ser um erro!
Continuação de uma boa semana para os meus amigos

al cardoso disse...

Caro Sergio:

Sinto uma imensa pena pelo facto da nossa secola ja nao ser "nossa"! Ali se poderia ter colocado um centro social e ate incluir uma capela mortuaria de apoio a igreja logo ali ao lado.
Mas tal como referi em comentario anterior, a situacao financeira da camara nao se compadece destas coisas, e como os votos e que contam e em Vila Cha ha poucos!!!
Resta-me ao menos a consolacao de ficar na propriedade de naturais da nossa terra e que por sinal ainda sao primos meus, assim que quando sentir alguma nostalgia sempre lhes posso pedir licenca para la voltar!

Anónimo disse...

Escloas Primárias - Espaço Museológico: Proteger objectos e avivar memórias!

As Escolas Primárisa devem, em alguns casos, passar a ser núcleos museológicos, apoiando-se em dinâmicas locais, levando à recuperação e valorização do património educativo português: a cultura material (Edifícios, objectos escolares, manuais, jogos, brinquedos, instrumentos de trabalho de professores e alunos e as memórias associadas à escola.Mas para estudar e valorizar este património é necessário travar a sua crescente degradação, relacionada com a deficiência de condições de conservação, perda de objectos e equipamentos, destruição de inúmera documentação. Por vezes, encontram-se nas escolas, amontoados em velhos armários, cheios de pó e teias de aranha,maços de documentação escolar, manuais escolares, mapas, painéis históricos, unidades e instrumentos de medida, figuras geométricas, globo terrestre, animais em éter, alfabetos em madeira.Dento desses armários estão papeis e objectos que contam a história da tua escola primária,JP Clemente, e de outras escolas do século XX.Despertam memórias sobre antigos alunos e professores, os livros que manuseavam, os intrumentos com que aprendiam.
AS Escloas Primárias devem tornar-se num Espaço Museológico afim de proteger objectos e avivar memórias!

O Ingénuo
as diversas matérias.